Momento confessional

Enquanto o virtua continua a fazer uploads a 33kbps (quando o mínimo do meu contrato é 600kbps…) e eu estou a milhão porque ontem organizei o MeioBit Expo e amanhã tem Seminário Info de Redes Sociais – e, de pano de fundo eu descobri que a minha gata mais querida está muito, muito, muito doente – eu estou feliz.

E a alegria, confesso, é do LuluzinhaCamp. No meio de montanhas e montanhas de trabalho, mil reuniões e tarefinhas, vejo a mulherada se organizando, tranqüilamente. Acabo de ir checar nossa planilha de inscrições. Temos exatamente 131 blogueiras inscritas – e vamos combinar, esta é a força da nossa rede dentro desta rede aqui.

A Fal (lindona) estará na Bienal do Livro (que termina domingão) fazendo o pré-lançamento do seu terceiro livro: Minúsculos Assassinatos e um Copo de Leite (no stand da Rocco, que ela é chique). Eu acho que se a gente pedir, ela vem. Ela é fófis, ela é linda, ela é mulher.

Preciso começar a falar de coisas tipo: como funciona. Camps são tecnologia Espaço Aberto. Isso quer dizer que as moças que estiverem presentes vão se apresentar e colocar seus temas no quadro branco. Acho que será bacana a gente usar esta tecnologia para organizar nosso encontro – até porque o trem está grande, né?

O que vocês acham? Funciona para todo mundo?

Comes e Bebes – você pode ajudar!

Algumas moças perguntaram no texto de ontem da Lu Freitas: todas as participantes devem levar guloseimas para o LuluzinhaCamp? Hoje, a Gabi levantou a bola – por email, não aqui – e a gente percebeu que a coisa toda está meio vaga… Então, vamos melhorar isso?

Por que levar comidinhas para o LuluzinhaCamp?

Porque é gostoso partilhar nossas especialidades culinárias. Porque é bacana fofocar em volta de uma mesa cheia de coisas gostosas. Porque o encontro é num sábado, dia de sair da dieta. E porque não dá pra ficar das 10h às 17h sem comer alguma coisinha, não é? 😉

Na hora do almoço, é provável que escapemos até o Shopping Eldorado, que fica pertinho do Espaço Gafanhoto (dá pra ir a pé tranqüilamente) e tem uma praça de alimentação legal. Além disso, seria bom termos algo para beliscar, um suco pra matar a sede, uma mesa de café-da-manhã…

Todas as participantes precisam levar comidinhas?

Essa, a Nospheratt já respondeu nos comentários de ontem: de jeito nenhum!

Se você se estará hospedada em um hotel ou se, simplesmente, o tempo está muito apertado, não se preocupe. O pratinho é opcional. O que importa de verdade é a sua presença!

Se você até gostaria de colaborar mas não tem muita intimidade com o fogão, não fique tímida: dê um pulinho ao supermercado ou à padaria e compre algo pronto. Esse deve ser um momento prazeroso do nosso encontro, não uma dor de cabeça!

Eu quero levar alguma coisa… o que pode ser?

O Espaço Gafanhoto não tem pratos ou talheres. Além disso, não queremos produzir uma quantidade absurda de lixo (não se esqueça de trazer sua própria caneca!).

Então, quando escolher sua contribuição, pense em coisas que podem ser comidas com as mãos: sanduíches, bolos, salgadinhos, pão de queijo, docinhos de aniversário…

Numa listinha rápida, o que seria legal ter no LuluzinhaCamp?

  • receitas salgadas
  • receitas doces
  • sucos (nas versões com e sem açúcar)
  • refrigerantes (nas versões com e sem açúcar)
  • café
  • açúcar e adoçante (para o café)
  • guardanapos

No caso do café, seria perfeito se alguma moça pudesse emprestar uma cafeteira…

Chá e chocolate quente também podem ser uma boa, hein?

Dá pra pensar em várias formas de enriquecer esse nosso dia à volta de uma mesa gostosa e animada. Aposto que há montes de idéias por aí, e de voluntárias também.

Para facilitar, que tal compartilharmos idéias e tarefas por meio de uma lista de discussão?

Se você pode colaborar com os lanchinhos, entre na lista LuluzinhaCamp, criada especialmente pra isso. Se tiver algum problema em se cadastrar na lista, é só deixar um comentário aqui que a gente dá um jeito. 🙂

Toda ajuda é bem-vinda!

Comidinhas no reino da Luluzinha

Apesar de ser uma magrela comprida, com corpitcho que parece feito sob encomenda para ser candidata a diva de fotógrafo (eu confesso: não dou a mínima, acho esta coisa de corpo da moda um porre), eu adoro comer. Tem coisa melhor que compartilhar uma boa comidinha com quem você gosta?

Não tem. E está confirmada a minha teoria: tudo o que você faz com amor funciona. (É o caso do LuluzinhaCamp…)

Esta semana fiz o post que mais me deu prazer (até agora, claro), sobre a Cozinha da Matilde. Conheci na sexta, ao comemorar o aniversário de um amigo pra lá de querido, o Beto. A Letícia, superfofa, me lembrou muito uma amiga off-line, pra lá, de querida, a Eugênia Lucatto. As duas têm muito em comum: uma mão pra cozinhar, amor no coração e o prazer de ver todos comerem bem.

Além da felicidade de post supercomentado, ganhei um outro link – do projeto e outra superfofa, a Lili Ferrari: o Jantarte. A Lili, que produz cursos lá no Gafanhoto, deve estar entre nós (quem sabe com a sua filha fofa a tiracolo). Quem gosta de comer/cozinhar tem que ir dar uma olhadinha pelo menos. Gente! A moça mistura comida com arte na maior tranqüilidade…

Em tempo: eu ia dar uma de joana sem braço e encomendar sanduichinhos na padoca. Afinal, as semanas estão corridíssimas – eu só estou organizando três eventos em agosto e ainda participo do Seminário INFO no dia 18. Lu Monte e Nospheratt me convenceram, nestas condições, a levar sanduichinhos simples, feitos em casa – os preferidos da Lu, inclusive.

Eu topei. Já sei, de saída, que os gatos vão surtar, mas não há nada que não seja tolerável pela alegria da nação Luluzinha, né?

Mini Luluzinha Camp: produção local é tudo de bom

Entonces minhas queridas, a Nosphie, sempre fofa e linda, preparou todo o terreno para vocês fazerem os seus Luluzinha Camp locais caso não possam vir. Leiam o post linkado, usem os selinhos. Divulguem nos seus Twitters, nas listas de que participam, entre seus blogs amigos. Reúnam suas rodas e vamos todas conversar, juntas, no dia 23. Não vou chover no molhado e contar tudo de novo. Vão lá no Blosque e confiram o roteirão.

O Boticário faz campanha de gosto duvidoso

Vaidade: qualidade do que é vão, vazio, firmado sobre aparência ilusória.
(Dicionário Houaiss)

Você já viu a nova campanha publicitária d’O Boticário? O slogan é “Acredite na Beleza” e o fio condutor está na pergunta “Não seria bom viver em um mundo sem vaidade?”.

Poderia ser uma propaganda parecida com a Campanha Pela Real Beleza, da Dove. Poderia, mas não é. Na verdade, é diametralmente oposta.

Quando a vi pela primeira vez, há algumas semanas, fiquei atônita. “Será que é isso mesmo que estão querendo dizer?!” Porque, no fim das contas, a peça publicitária é uma ode à beleza superficial, cosmética, removível com água e sabão. E a beleza de cada mulher, natural, especialíssima, pessoal e instransferível? Essa deve ser escondida sob camadas de maquiagem.

Veja bem: eu amo maquiagem – tanto que, recentemente, dei dicas aqui e no Deusário. Adoro sair de casa arrumada e cheirosa. Daí a achar que potinhos e creminhos guardam a chave da verdadeira beleza, vai uma distância enorme.

Leitura imprescindível sobre esse assunto é o texto da Cyn Cardoso (que descobri por um twitt da Tine Araujo), muito mais completo que este. Nos comentários de lá, já há polêmica – algumas garotas amaram a propaganda e dão a maior força ao conceito de beleza que ela traz. Veja o vídeo (a Cyn Cardoso o colocou no artigo dela) e responda: para você, O Boticário errou o tom?

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll