8 de março: #8MBR, #euvcetodasnós e mais, muito mais

Marcha das Vadias 2013

@EliMafra @Doduti e @FrancineEmilia na Marcha das Vadias (acho que 2013)

Esta semana, graças ao dia 8 de março, haverá muito que fazer. Além das florzinhas – ou descontos nos eletrodomésticos – que insistem ser o que precisamos, haverá movimentos, conversas, lançamentos.

#8MBR

Existe um movimento de PARADA das mulheres no mundo inteiro nesse dia. Uma espécie de greve das mulheres. Claro que a imensa maioria não terá o privilégio de poder cruzar os braços em protesto porque temos contas a pagar no fim do mês. De todo jeito, é possível apoiar sem parar também. Vamos juntas?

Convocamos as mulheres brasileiras a aderir a Parada Internacional das Mulheres no dia 8 de março de 2017. A Parada Internacional de Mulheres é um movimento formado por mulheres de partes diferentes do mundo. Foi inspirado na Polônia e na Argentina e criado nas últimas semanas de outubro de 2016 por mulheres de vários países como resposta a atual violência social, legal, política, moral e verbal experimentada pelas mulheres atuais em diversas latitudes.

COMO VAMOS PARAR?

Sugerimos diversas formas de protestar no dia 8 de março

  • Parada total, no trabalho ou nas tarefas domésticas e nos papeis sociais como cuidadoras durante a jornada completa. (Isso é especialmente válido para mulheres que vivem com maridos, filhos, irmãos ou pais e assumem integralmente o serviço doméstico. Não cuidar da casa/cozinhar/limpar por um dia deve dar uma noção do trabalho que é)
  • Parada de tempo parcial da produção/trabalho por uma ou duas horas
  • Apitaço no horário do almoço (convide as colegas para as 12:30 ou no horário possível do seu local de trabalho para realizar um apitaço).
  • Caso não possa parar em seu trabalho: use elementos roxos na vestimenta, como fitas ou qualquer elemento que decida usar.
  • Coloquem panos roxos nos carros e nas casas.
  • Boicote locais misóginos (faça todo dia)
  • Não compre nada neste dia
  • Bloqueie caminho e ruas
  • Participem e organizem manifestações, piquetes e marchas nas suas cidades
  • Instale mensagem automática de “fora do escritório” no e-mail e explique o porquê
  • Participe do twitaço as 12:30 do dia 8 de março #8m
    #8mbrasil
    #paradabrasileirademulheres
    #euparo
  • Grave vídeos de toda a intervenção que fizerem no 8 de março com as hashtags

    #8m #8mbrasil #paradabrasileirademulheres #euparo

  • Convide outras mulheres e organizem formas criativas de adesão a Parada Brasileira de Mulheres
  • Mude a foto de perfil https://twibbon.com/support/parada-de-mulheres-8m-br

– Para maiores informações curta as paginas https://www.facebook.com/paradabrasileirademulheres/?fref=ts

#euvocêetodasnós

O documentário, produzido pela Coopas e Futura, mostra a nossa luta na internet.

As datas de exibição?

#euvocêtodasnós 08/03/2017 Quarta-feira 21:00
#euvocêtodasnós 09/03/2017 Quinta-feira 01:00
#euvocêtodasnós 13/03/2017 Segunda-feira 22:30
#euvocêtodasnós 14/03/2017 Terça-feira 04:00

O trailer?

Também tem trilha no Spotify – https://open.spotify.com/user/gomusmusic/playlist/2nRTWSy3kkSEanY4Blt2aH

A página no FB: https://www.facebook.com/doc.euvocetodasnos?fref=ts

Mulheres Digitais: Respeito

25110822523_cc8476c843_o

Na terceira edição, o Mulheres Digitais sai do campo dos sucessos e feitos no mundo digital para falar de respeito. Em tempos de agressões livres sobre todes nós, as palestras prometem falar muito sobre o assunto.

Confesso que sempre torço um tanto o nariz pro evento, porque capitaneado por um homem, ele tem gosto de mansplaining. Todavia, entretanto, contudo, o palco é tomado por mulheres maravilhosas, com histórias e casos que nos ajudam a avançar na luta de todo dia.

No dia 15 de outubro não será diferente. O Mulheres Digitais começará às 9h da madrugada com as marceneiras Fernanda Sanino e Letícia Piagentini contanto sobre como é empreender em um ambiente tipicamente masculino. 9h45 tem a doutora Cândida Almeida, da Casper Líbero, falando sobre a cultura (velada? Eu acho que é aberta mesmo) das violências contra as mulheres. Logo depois entra Anna Castanha falando sobre a ignorância sobre as questões de gênero e orientação sexual. E na sequência, Maria Rita Casagrande fala sobre sororidade, raça e respeito.

Morreu de amor? Calma que logo depois da palestra da Maria Rita tem homenagem – e tô sabendo que é muito especial, de derreter coração mesmo.

Depois do almoço a tarde começará com a apresentação dos novos projetos do Mulheres Digitais para 2017. Às 14h50 Nathalia Blagevitch, que é professora tutora de direito do trabalho do Damásio Educacional, fala sobre a vida de deficiente física e reflete sobre o que é uma sociedade eficiente. Depois, Raquel Marques, presidente da Associação Ártemis, fala sobre a maternidade desamparada. Sim, aborto, violência obstétrica, saúde materna e gestação humanizada no palco.

Para encerrar, às 16h45, Carol Patrocínio, do Comum.vc, recebe convidadas para responder às perguntas que homens fazem sobre o feminismo. O bloco será transmitido ao vivo na página do evento no FB.

Para comprar o ingresso, que tem preço único de R$ 99,00, basta acessar o site do evento: http://eventomulheresdigitais.com.br

Foto: Lucia Freitas

Blogueiras Negras promovem I Encontrão em Recife, São Paulo e Belo Horizonte

encontrao-blogueiras-negras

[Momento orgulho total absoluto preto radiante: vai ter Encontrão das Blogueiras Negras. Muito orgulho das mulheres negras em luta, que se encontram, se qualificam cada dia mais para a luta delas – que é mais feia que a das brancas. Emocionante viver isso. Orgulho muito destas mulheres irmãs.]

O I Encontrão Blogueiras Negras é momento de formação contemplando as novas práticas de combate à violência doméstica contra a mulher, pensando, sobretudo no combate ao racismo e misoginia dentro e fora da internet. Nossas oficinas vão discutir temas estratégicos sobre os direitos sexuais e reprodutivos, como o aborto, autonomia e direito ao próprio corpo, a partir criação de narrativas construídas por e para mulheres negras. Sendo esse espaço pensado para o acolhimento das mulheres negras.

Com o objetivo de promover a reunião em diferentes cidades (São Paulo, Recife e Belo Horizonte), o Encontrão visa informar, capacitar e fortalecer o posicionamento dessas mulheres quanto ao combate ao racismo, opressão de gênero com ênfase na violência de doméstica, promovendo a palavra como meio de luta através de diferentes ferramentas de comunicação e as novas mídias.

As oficinas, simultâneas e continuadas, levarão informação para as mulheres sobre os temas segurança virtual, feminismo negro, escrita criativa, rap e poesia, audiovisual, criação de blog e fanzine. As oficineiras convidadas para o Recife, Jéssica Ipólito do blog Gorda e Sapatão e Rayza Oliveira do Cine club Bamako trarão transversalmente os temas relacionados ao feminismo negro e combate as violências.

Além das oficinas, haverá ainda a Feira das Pretas com afroempreendedoras expondo e vendendo suas produções como roupas, bijuterias, acessórios, comidinhas e afins.Pensando no necessário acolhimento das crianças, haverá uma creche solidária para que as mamães possam participar das oficinas com maior tranquilidade, sabendo que suas crianças estarão sob cuidados de outras mulheres negras, dedicadas a garantir a segurança, bem estar e diversão através da apresentação de filmes, contação de estórias, leitura, por exemplo.

Para encerrar esse momento tão especial, haverá atrações culturais para tornar ainda mais inesquecível nosso momento final de confraternização quando vamos comemorar todo esse tempo em que tivemos com as mãos dadas construindo novas teias narrativas de vida e de possibilidades.

As inscrições para as oficinas em Recife podem ser feitas no site: http://encontraoblogueirasnegras.com/pernambuco/

E as Afroempreendedoras podem se inscrever em:
https://docs.google.com/forms/d/1mg9b6ywE1mylNpwDflTygczKHV19R_27UUcMDkOXz3A/edit?ts=57ef07c1

Descontos: Mulheres negras que são Blogueiras Negras, Blogueiras Feministas e Mulheres Trans tem desconto nas oficinas!

 

Variável:

Em Recife, o Encontrão será no próximo dias 22 e 23 de outubro, no Museu da Abolição.
Em São Paulo, nosso Encontrão será no próximo dia 19 e 20 de novembro, no CCJ.
Em Belo Horizonte, nosso Encontrão será dia 12 e 13 de dezembro, no local ainda a confirmar.

Serviço
O que:
I Encontrão Blogueiras Negras
Onde: Recife (Museu da Abolição) São Paulo (CCJ), Belo Horizonte
Quando: 22 e 23 de outubro; 19 e 20 de novembro; 12 e 13 de dezembro
Insçricões: http://encontraoblogueirasnegras.com/ http://encontraoblogueirasnegras.com/pernambuco/

Juntas somos fortes

“Companheira me ajuda, eu não posso andar só. Eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor”


Ontem em São Paulo, Rio de Janeiro e várias outras cidades do Brasil aconteceram manifestações chamadas Por Todas Elas. Organizadas por vários coletivos feministas o foco era o caso da adolescente estuprada por 33 homens no Rio. Elas são as 9265 vítimas dessa violência que prestaram queixa no ano passado no estado de São Paulo. Elas são as 3242 mulheres que de janeiro a abril deste ano relataram os abusos que sofreram, também em São Paulo. Elas são as mulheres que são estupradas a cada 11 minutos em todo o país. Elas somos todas nós, mulheres, que temos medo de andar sozinha a noite, de andar em ruas escuras, de voltar a pé do metrô, de usar roupas curtas.


PTE3

Foto: Juliana Colombo


“1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33”


Esse crime gravíssimo contra uma adolescente chamou a atenção de todo o país, evidenciou machismos e como para muitas pessoas a vítima sempre tem grande parcela de culpa. O termo Cultura do Estupro passou a ser usado fora dos nichos feministas. As discussões que surgiram por conta desse absurdo são muito importantes e não podem esfriar.
O ato, apesar de sempre lembrar esse caso, chamou a atenção de outros retrocessos que as causas feministas vem sofrendo no país.


“Direito ao nosso corpo
Legalizar o aborto”


A legalização do aborto até a 12ª semana de gestação é um tema recorrente em manifestações feministas. E nesta quarta feira não foi diferente. Diversas músicas entoadas pelo grupo trataram desse tema que tem se tornado comum nas rodas de conversa, mas ainda é velado, criminalizado. Mulheres, principalmente negras e pobres morrem todos os anos em decorrência de procedimentos mal feitos. O dado mais recente que encontrei é de 2013 e segundo ele mais de 200 mil mulheres eram internadas na rede publica em decorrência de complicações do aborto.


“A Cada 11 minutos. Uma mulher é estuprada no Brasil. A culpa nunca é da vítima.”


A agenda feminista parece não ter fim. Cada manifestação traz mais um ponto que a sociedade precisa discutir. Até que sejamos de fato tratadas como iguais aos homens, não sairemos das ruas. Até que nossos corpos deixem de ser objetos. Até que nossas causas deixem de ser piada. Até que não sejamos vistas como menor, só por ser mulher. Vamos às ruas.


PTE2

Nem a chuva enfraqueceu a luta Foto: Juliana Colombo


Juntas somos mais fortes
Eu mulher, negra, resisto
Moça, a culpa não é sua, é do estado
Mexeu com uma, mexeu com todas
Para ela, a culpa, para eles, a desculpa
Eu não preciso de proteção, eu quero a sua reinvenção


*As aspas do texto são músicas cantadas durante o ato, e as frases que fecham foram tiradas de cartazes, camisetas e pixos do ato.

O que vocês querem para 2016?

Heart Cookies

A Geovana começou o melhor tópico no grupo de discussão: Quais os planos para 2016? Tem alguma coisa que analisando o 2015 vocês fariam diferente?

O primeiro mês do ano me parece o melhor momento para fazer essa reflexão e pensar em mudar o que não gostamos no ano anterior ou projetar nossos desejos.

Claro que os depoimentos de lá seguem por lá e são pessoais. Usando o que conseguimos aprender com a nova plataforma P2, lá no WordPress.com, pensei em abrir o mesmo tópico para a gente discutir os nossos planos para 2016. [Se você ainda não é autora no LLC-WP, faz parte do nosso grupo e deseja participar, basta pedir que a gente inclui, ok?]

Um balanço do LuluzinhaCamp em 2015, do meu ponto de vista:

– no ano em que o protagonismo feminista tomou todas as redes e lançou projetos como o #primeiroassedio, lutas com agências de publicidade, pólos de publicação e problematização das questões de gênero tomando pé na web e atingindo inclusive revistas femininas, este grupo ficou escondido. É uma pena, porque temos tecnologia de convivência – e de educação – para transmitir.

– O Encontro Nacional, em outubro foi muito bacana. Foi uma amostra de que temos conteúdo – muito – e exatamente isso que está aí em cima: tecnologia de convivência e para educar.

– O grupo de discussão se revelou uma incubadora de talentos – e de apoio nas horas de necessidade, para as que dele participam. Crescemos para mais de 500 mulheres e criamos um grupo de conversa no Telegram, a grande alternativa ao WhatsApp, onde se conversa de tudo um pouco.

Este ano vimos dois projetos muito bacanas, o Maria Lab e as Py Girls ganharem o Women Tech Makers. Dá um orgulho danado ver esta mulherada competente produzindo projetos de inclusão e feminismo com tecnologia.

O Lugar de Mulher também virou um epicentro muito bacana do feminismo na rede, saindo um pouco da coisa dos grandes grupos e investindo no autoral.
Testemunhamos e participamos de diversos movimntos,como o #primeiroassedio e #SerMulheremTech.

Pra fechar o ano com chave de ouro fomos testemunhas oculares do tema da redação do ENEM: Violência contra a Mulher – e também teve pergunta sobre feminismo na prova. #WIN #WIN.

O que a gente faria diferente?

O que faremos como coletivo em 2016?

Comentários abertos, soltem tudo pra gente planejar!

Foto: Skley via Compfight cc

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll