que tal você organizar o seu próprio Luluzinha Camp?

O comitê Luluzinha teve (mais) uma idéia enlouquecida, no fim da semana passada: muita blogueira Brasil afora não vai conseguir vir para o Luluzinha Camp. Isso sempre acontece… não dá para tirar férias, falta dinheiro, São Paulo é longe… Justificativas para lá de válidas.

A proposta: que tal você organizar, no dia 23 de agosto, um encontro das blogueiras da sua cidade? Junte as amigas, levem seus comes e bebes, as canecas e juntem-se numa boa conexão. Acompanhem pelo Twitter, pelos blogs, publiquem suas conversas – ou não.

Convidem a moçada que produz coisas bacanas em cada canto do Brasil.

Que tal? Vamos espalhar esta idéia?

P.S.: por sugestão do Fernando Souza, estamos preparando a lista das inscritas para publicar. Aguardem

Um mundo de mulheres de verdade

two
Texto da Ju Dacoregio, que vem de SC direto para o Luluzinha Camp.

Ela queria viver num mundo onde as mulheres não fossem pedaços de carne e onde esses pedaços de carne não fossem vendidos nas ruas e nas bancas de revista. Ela queria viver num mundo onde as mais velhas não precisassem olhar com inveja para as mais novas. Ela queria viver num mundo onde nenhuma mulher precisasse temer a perda do desejo de seu amado com a chegada das rugas e dos cabelos brancos. Ela queria viver num mundo onde as mulheres fossem deusas, independente da circunferência de suas cinturas.

Mas no mundo em que ela vivia, mulheres mutilavam seus próprios genitais em nome da estética e chamavam isso de cirurgia íntima. No mundo em que ela vivia, as mulheres usavam seus corpos como instrumentos de poder e afronta, umas sempre tentando serem superiores às outras. Numa competição em que a pele mais lisa, o rosto mais angelical, a menor quantidade de anos vividos sempre saía vitoriosa e isso evoluía tristemente a ponto de gerar absurdos como homens adultos desejando meninas impúberes. Ela vivia num mundo em que garotas de 13 anos eram usadas para provocar os anseios de consumo das pessoas.

Ela queria viver num mundo diferente. Num mundo em que mulheres não fossem inimigas em potencial. Por isso começou a sorrir mais, sem medo de evidenciar as ruguinhas já existentes. Passou a retocar menos a maquiagem e a entrar correndo no mar com seus filhos, mesmo após ter feito uma escova. Decidiu nunca mais mentir ou esconder a idade, nem procurar defeitos minúsculos no corpo das outras mulheres e no seu próprio. Fez as pazes com o espelho e com todas as outras mulheres do mundo. Passou a gastar mais dinheiro com livros do que com tratamentos estéticos. Deixava sua filha subir em árvores, elogiava mais o talento para a matemática da menina do que seus lindos olhinhos azuis. Ela queria viver num mundo em que as TODAS as mulheres fossem deusas. Por isso resolveu começar pela sua casa.

chover no molhado também vale

eu sei que estes textos que recebemos por email sobre as dores e delícias de ser mulher chegam aos montes, e eu sei que vocês podem estar de saco cheio de ler. mas eu insisto, porque esse texto é cheio de pequenas lições que às vezes achamos que aprendemos e, que nada!, nos pegamos brincando de mulher maravilha, de novo e sempre.

eu quero matar a mulher-maravilha em mim, por isso leio, releio, repito pra mim mesma na frente do espelho e peço que me lembrem a cada oportunidade: eu tenho o direito de errar; eu posso me cansar e ficar triste; eu posso e devo dizer não; eu não sou e não preciso ser perfeita.

deixo a martha medeiros dar o recado:

MULHERES POSSÍVEIS
(Texto na Revista do Jornal O Globo )

Eu não sirvo de exemplo para nada, mas, se você quer saber se isso é possível, me ofereço como piloto de testes.

Sou a Miss Imperfeita, muito prazer.

Uma imperfeita que faz tudo o que precisa fazer, como boa profissional, mãe e mulher que também sou: trabalho todos os dias, ganho minha grana, vou ao supermercado três vezes por semana, decido o cardápio das refeições, levo os filhos no colégio e busco, almoço com else, estudo com else, telefono para minha mãe todas as noites, procuro minhas amigas, namoro, viajo, vou ao cinema, pago minhas contas, respondo a toneladas de e-mails, faço revisões no dentista, mamografia, caminho meia hora diariamente, compro flores para casa, providencio os consertos domésticos, participo de eventos e reuniões ligados à minha profissão e ainda faço escova toda semana – e as unhas!

E, entre uma coisa e outra, leio livros.

Portanto, sou ocupada, mas não uma workaholic.

Por mais disciplinada e responsável que eu seja, aprendi duas coisinhas que operam milagres.
Primeiro: a dizer NÃO.
Segundo: a não sentir um pingo de culpa por dizer NÃO.
Culpa por nada, aliás.
Existe a Coca Zero, o Fome Zero, o Recruta Zero.
Pois inclua na sua lista a Culpa Zero.
Quando você nasceu, nenhum profeta adentrou a sala da maternidade e lhe apontou o dedo dizendo que a partir daquele momento você seria modelo para os outros.
Seu pai e sua mãe, acredite, não tiveram essa expectativa: tudo o que desejaram é que você não chorasse muito durante as madrugadas e mamasse direitinho.
Você não é Nossa Senhora.
Você é, humildemente, uma mulher.
E, se não aprender a delegar, a priorizar e a se divertir, bye-bye vida interessante.
Porque vida interessante não é ter a agenda lotada, não é ser sempre politicamente correta, não é topar qualquer projeto por dinheiro, não é atender a todos e criar para si a falsa impressão de ser indispensável.
É ter tempo.
Tempo para fazer nada.
Tempo para fazer tudo.
Tempo para dançar sozinha na sala.
Tempo para bisbilhotar uma loja de discos.
Tempo para sumir dois dias com seu amor.
Três dias.
Cinco dias!
Tempo para uma massagem.
Tempo para ver a novela.
Tempo para receber aquela sua amiga que é consultora de produtos de beleza.
Tempo para fazer um trabalho voluntário.
Tempo para procurar um abajur novo para seu quarto.
Tempo para conhecer outras pessoas.
Voltar a estudar.
Para engravidar.
Tempo para escrever um livro que você nem sabe se um dia será editado.
Tempo, principalmente, para descobrir que você pode ser perfeitamente organizada e profissional sem deixar de existir.
Porque nossa existência não é contabilizada por um relógio de ponto ou pela quantidade de memorandos virtuais que atolam nossa caixa postal.
Existir, a que será que se destina?
Destina-se a ter o tempo a favor, e não contra.
A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma executiva ISO 9000, não será bem avaliada.
Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem.
Precisa respeitar o mosaico de si  mesma, privilegiar cada pedacinho de is.
Se o trabalho é um pedação de sua vida, ótimo!
Nada é mais elegante, charmoso e inteligente do que ser independente.
Mulher que se sustenta fica muito mais sexy e muito mais livre para ir e vir.
Desde que lembre de separar alguns bons momentos da semana para usufruir essa independência, senão é escravidão, a mesma que nos mantinha trancafiadas em casa, espiando a vida pela janela.
Desacelerar tem um custo.
Talvez seja preciso esquecer a bolsa Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da M.A.C.
Mas, se você precisa vender a alma ao diabo para ter tudo isso, francamente, está precisando rever seus valores.
E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (ok, esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, uma vida interessante.

Um Bichinho Complicado

LadyBug
Photo Credit: AussieGall

Mulher é um bichinho complicado.

É frágil, é forte, é bem resolvida, e tão indecisa. Super batalhadora, mas precisa muito de mimo, muitos mimos. Tão compreensiva, e por vezes tão irracional.

Somos mutáveis, multi-dimensionais. Somos sonhos e decepções, aprendizado, teimosia; nariz na porta e pé na porta.

Somos mães, filhas, amigas, executivas, estudantes, companheiras, concorrentes, rivais.

A mulher é um bichinho complicado porque não somos isso OU aquilo. Somos isso e aquilo e mais isto, e dependendo da época do mês e das configurações planetárias, um pouco daquilo outro.

Entre milhões de outras coisas, também somos blogueiras. Escrevemos sobre tudo, cada uma do seu jeito, mostrando um ponto de vista diferente. Escrevemos a vida em nossos blogs, contamos histórias, fazemos reflexões, ensinamos, compartilhamos e aprendemos.

E chegou a hora de nos conhecermos pessoalmente, falar cara a cara, pegar no braço da outra, olhar nos olhos, tomar um café. Dividir uma lágrima, talvez ouvir a mesma história – desta vez, contada com voz, com gestos, com olhares. Falar “Lembra?” e ouvir de volta “Lembro, claro que lembro!”, acompanhado com um sorriso, uma gargalhada.

Vai ser inesquecível. Luluzinha Camp, lá vamos nós!

Nospheratt – Deusario

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll

Page 17 of 17« First...10...1314151617