No & Low Poo – O que é?

[Este post é resultado de uma discussão interna do LuluzinhaCamp]
No Poo e Low Poo são duas técnicas menos agressivas para cuidar dos cabelos, e que estão se tornando cada vez mais conhecidas.

O No Poo significa lavar o cabelo sem o uso de shampoo, os adeptos fazem a limpeza com produtos que não danificam o cabelo e a pele.

Low Poo é o uso de shampoos sem substâncias nocivas, como os sulfatos. O método de lavagem tradicional, com qualquer shampoo/condicionador muitas vezes deixa resíduos fazendo o cabelo ficar ressecado, sem vida.

As duas técnicas “proíbem” o uso de substâncias como sulfatos, óleos minerais, petrolatos, parafinas. O No Poo inclui a essa lista os silicones insolúveis.

 

no-poo-low-poo

Os sulfatos são detergentes muito fortes, que tiram as sujeiras, e também toda a oleosidade natural [e boa! ] do cabelo, todos os tratamentos hidratantes, enfim, tudo que estiver no caminho. Já os óleos, petrolatos, parafinas e silicones, são vendidos como hidratantes, mas eles agem apenas nas cutículas externas do cabelo, não hidratando profundamente, e impedindo que o cabelo absorva hidratação do meio. Eles criam uma capa, parecendo que o cabelo está hidratado, macio e sedoso, mas na verdade, a longo prazo, acabam prejudicando os fios.

Vou começar explicando mais sobre o No Poo:

Originalmente, No Poo era lavar os cabelos sem o uso de qualquer tipo de cosmético, então muitas pessoas usam apenas bicarbonato de sódio e Vinagre de Maçã. A Denise Rangel é uma dessas pessoas e diz que tem ótimos resultados. Ela fez até uma série de posts no Sturm und Drang contando como foi a mudança de produtos tradicionais para esta técnica.

Numa discussão no nosso grupo de e-mails sobre No e Low Poo, a bióloga Suzana Elvas falou um pouco do que acontece ao usar bicarbonato e vinagre nos cabelos.

“Ácido + base = sal + água. A gente foge de xampus com sal na fórmula e entope a cabeça com o mais básico deles toda a vez que lava a cabeça com bicarbonato e vinagre.

A longo prazo – bem longo, mas de maneira quase irremediável – a gente destrói o cabelo usando essa técnica. Quando você põe bicarbonato – diluído ou não – abre as escamas bem abertas, expondo a medula do fio no único lugar onde ele ainda tem vida (porque cabelo é tecido morto, como as unhas): perto da raiz. Aí você joga o vinagre e as escamas fecham. E você fica nesse abre e fecha e o resultado, depois de uns dois anos, é que o pedaço que estava perto do couro cabeludo cresce e o cabelo, depois de semanas, meses de abre-e-fecha, tá uma palha e o couro cabeludo, depois de um longo desequilíbrio da camada de lipídio, não sabe mais pra que lado correr.”

“Mas então, como é que faz pra limpar a cabelêra sem usar shampoo, e sem usar bicarbonato?”

O No Poo se baseia numa técnica chamada co-wash, ou seja lavar o cabelo com condicionador. É, parece estranho, mas dessa forma você não perde tanto a oleosidade natural do cabelo. Algumas pessoas usam uma mistura de condicionador [sem todos aqueles químicos] com o cocoamidopropil betaine, que ajuda a limpar o cabelo, mas de maneira menos agressiva que os sulfatos. E depois passar leave-in, gel, enfim, finalizar o cabelo como sempre

No caso de Low Poo você pode fazer o processo normal de cuidar do cabelo: shampoo, condicionador, finalizador, hidratação uma vez por semana, etc. com os produtos que não tenham aquelas substâncias na fórmula. É legal intercalar o uso do co-wash também para que o cabelo mantenha a hidratação natural.

Eu comecei a pesquisar, levei esse debate para o grupo de e-mails do LuluzinhaCamp, e agora estou abrindo o assunto aqui no blog, porque cada vez mais pessoas estão se interessando por alternativas para se cuidar. Escrevendo o texto conheci o canal do Youtube de uma fofa chamada Mari Morena. Neste vídeo ela explica de uma forma simples como funciona o No e Low Poo.

 

Se você se interessou por tudo que falei, veja os outros vídeos da Mari, procure grupos no Facebook sobre o assunto, escreva nos comentários, pesquise bastante! Esta lista de produtos liberados para técnica ajuda bastante quando você está começando a entender.

Estou há duas semanas fazendo o Low Poo e acho que ele está mais macio, mais ondulado. Mas vale lembrar que o processo demora a mostrar grandes resultados, principalmente se você costuma usar química no cabelo. O cabelo vai passar por um tipo de detox e então ficar lindo. E outra coisa importante: cada cabelo tem suas características, os produtos que dão certo pra uma podem não dar certo pra outra. Se você acha a ideia legal, pesquise, teste, experimente, e dê tempo ao cabelo.

#Luluzinhacamp2015 : o evento!

A edição deste ano do LuluzinhaCamp foi maravilhosa! Se você não foi, perdeu! 🙂

Com o oferecimento do WordPress.com, mulheres de várias partes do Brasil e do mundo, reuniram-se na Casa de Viver, em São Paulo, para mais um encontro nacional regado a doces, conversas e muito amor.

Luluzinhas! Foto de Nat Gunji

Luluzinhas! Foto de Nat Gunji

As conversas tomaram grande parte de nosso dia. Discutimos  e conversamos em roda sobre variados assuntos. Enquanto as discussões aconteciam, o bazar de trocas e a lojinha das Lulus prendadas faziam a alegria das mulheres presentes. Tudo regado a gostosuras e muita descontração.

Veja o que rolou no Luluzinhacamp 2015

Trilha LuluzinhaCamp – Discutimos sobre onde estamos e para onde vamos.? Com a querida Lucia Freitas, a doce Cátia Kitahara e todas as lulus presentes.

Trilha LuluzinhaCamp . Foto de Nat Gunji

Trilha LuluzinhaCamp . Foto de Nat Gunji

Roda de leitura, com Denise Rangel, uma reflexão  sobre desejos e mudanças, com um poema lindo da Roseana Murray.

Roda de Leitura. Foto de Nat Gunji

Roda de Leitura. Foto de Nat Gunji

Oficina de Coaching, com Patrícia Andrade, dicas sobre o que fazer para minimizar as ameaças e aproveitar as oportunidades. Valorize-se!

Oficina de Coaching. Foto de Denise Rangel

Oficina de Coaching. Foto de Denise Rangel

Discussão sobre blogs, com Cátia Kitahara e Juliana Garcia Sales. A criação de conteúdo e as mudanças de cenário na produção de conteúdo atual.

Blogs e Conteúdo. Foto de Paula Freitas.

Blogs e Conteúdo. Foto de Paula Freitas.

Feirinha de trocas e Lojinha de sabonetes artesanais maravilhoooosos da Dani Koetz. Um point no Luluzinhacamp!

Feira de Trocas e Lojinha das Lulus. Foto de Nat Gunji

Feira de Trocas e Lojinha das Lulus. Foto de Nat Gunji

Palestra sobre Tendências e Cool Hunting, com Cláudia Dedeski. A observação das pessoas e do mundo, a fim de definir novas tendências.

Palestra sobre Cool Hunting. Foto de Lanika.

Palestra sobre Segurança na internet, com Camila Gomes. Não ser rastreado na internet é uma necessidade para os mais diferentes perfis de pessoas.

Palestra sobre Segurança na internet. Foto de Denise Rangel

Palestra sobre Segurança na internet. Foto de Denise Rangel

Isto foi apenas uma palhinha do que aconteceu em nosso encontro. Nos próximos posts, traremos mais detalhes sobre as discussões e atividades desenvolvidas no LuluzinhaCamp2015.

Aguardem!

LuluzinhaCamp 2015

rp_WPlogo_horizontal-590x168.jpg

Com o oferecimento luxuoso do WordPress.com (sim, aquele lugar santo onde a gente faz blogs gostosos em um segundo), está no ar a edição deste ano do LuluzinhaCamp.

Organizamos nossas conversas em três trilhas principais:

1. Meta: discutir o próprio grupo, falar sobre o site, manutenção, reforma, ideias pro futuro, potenciais.

2. Oficinas: bike, Roda de Leitura, .

3. O mundo (online/offline) que nos cerca: SUS, voluntariado, política, segurança, sustentabilidade.

Atividades já confirmadas

Segurança para Mulheres com a Camilla Gomes do MariaLab.

Roda de Leitura com a Denise Rangel

Trilha WordPress.com – Blogs, criação de conteúdo e as mudanças de cenário na produção de conteúdo atual (Cátia Kitahara, LuFreitas, Juliana Garcia Sales e quem mais quiser)

Trilha Outubro Rosa – SUS, saúde da mulher em geral e o que mais quisermos discutir sobre o assunto.

Trilha LuluzinhaCamp – Onde estamos e pra onde vamos? 

Feirinha de trocas – porque sabemos que vocês adoram!

Lojinhas das Lulus – um espaço para cada uma levar o que anda produzindo e vender/apresentar para as outras. Já temos algumas confirmações e vamos atualizando conforme o caldo engrossa.

Dicas para falar em público, com Carolina Fraga – que promete conversar sobre #AI com a gente também

Bate-papo sobre Mobilidade Urbana, com Vevê Mambrini

 

O que você precisa fazer para participar?

  • Preencher o formulário E pagar a inscrição
  • Traga a sua caneca e bebidas
  • Estamos organizando comidinhas para servir lá, mas se você quiser trazer aquele prato que só você faz, será mais que bem-vindo.

ONDE?

Casa de Viver, R. Afonso Celso, 140, Vila Mariana. Crianças são bem-vindas (e vocês avisem no grupo ou nos comentários para a gente reservar a sala das crianças…)

Horário

Das 10h às 18h. O horário entre 10h e 13h está reservado para a trilha meta do LuluzinhaCamp e instalação do layout novo aqui no site. 🙂

Agosto? Encruzilhada do ano

Estatua de Hécate com três faces

Rolou uma conversa muito bacana num grupo do Telegram (sim, a grande alternativa ao Whatsapp, muito melhor), sobre agosto. Há um peso extra sobre o mês que separa o meio do ano… “Agosto, mês do desgosto” e frases do gênero marcaram as expressões das pessoas pelas redes sociais.

Tudo começou com uma pessoa dizendo “UFA, agosto acabou” e outra retrucando “poxa, mas maio é igualzinho a agosto e ninguém reclama!” (ninguém quem, cara pálida? Eu DETESTO maio, só não falo em voz alta pra não piorar).

Primeiro, tenho várias pessoas queridas que aniversariam em Agosto: Gabi Bianco, Barbara Mendes e Claudia Sardinha, só pra citar as que são aqui do pedaço – desculpas às outras aniversariantes do mês, eu sou cabeção, vocês sabem.

Segundo, a Lanika lembrou que o mês é marcado por duas deusas geniais: Hécate, no dia 13, e Perséfone, a deusa virgem que vive entre dois mundos. São duas representações muito bacanas de facetas do inconsciente feminino que têm muito a nos ensinar.

Agosto é o fim do frio, a festa das luzes. O mês tem este nome por causa do imperador Augusto e é o mês que divide o ano – acabou a primeira parte do ano e o ciclo renasce. O calor volta, as árvores preparam as flores que vão desabrochar em setembro.

Nas palavras de nossa wicca: “Na virada de julho para agosto, tudo o que estava quieto, passivo, dormente com o frio do inverno começa a vir à tona. Aquele equipamento que estava pra quebrar a tempos? Pá. Aquela coisa que você já desconfiava que te deixava levemente desconfortável? Virá. A energia de agosto não é ruim nem boa, é um ciclo.

Serve para encerrar coisas que estavam se arrastando e plantar novas coisas porque, e isso é importante, a luz e o calor estão voltando. É renascimento puro.”

“Essa coisa de mês do cachorro louco é coisa de omi que assusta com o lado escuro da vida”, Lanika Rigues.

Com vocês, anotações das deusas. Que elas ajudem a transformar agosto – e outros momentos obscuros, que vivemos todos os meses – em tempo de luz, sabedoria e autoconhecimento.
Hecate, triuna, desenho de georgi mishev

Hécate, a deusa das encruzilhadas

Uma das “deusas virgens” (que não abrem mão de sua independência pelo casamento), Hécate é a deusa dos três caminhos, que protege os lares, os recém-nascidos e é também a deusa da feitiçaria.

Foi a única dos Titãs originais que manteve seu lugar no Olimpo – era a única, além dele mesmo a poder dar à humanidade qualquer coisa que quisesse. Conhecida como a “deusa da Lua, é uma deusa com três facetas (que aparecem em suas estátuas): terra, mar e céu. Tem o poder de criar ou impedir tempestades – o que a fez a protetora dos pastores e marinheiros.

Hecate foi muitas vezes mostrada com seus cachorros que, como ela, tinham três cabeças, o que lhes confere a visão em todas as direções. Passado, presente e futuro, aliás, estão no seu mito mais conhecido, do Rapto de Perséfone, pois foi ela quem viu o que havia acontecido e contou à mãe da deusa, Deméter.

Além disso, foi Hécate quem apoiou Perséfone em sua vida no Submundo. Hades, grato pela amizade, garantiu à deusa passagem livre e honras no seu domínio – o que aumentou sua reputação como um espírito mágico, com poderes de conjurar sonhos, profecias e fantasmas.

Sua habilidade de ver o outro mundo, dos que dormem e dos mortos, a fez confortável e tolerante na companhia de seres temidos e incompreendidos. Como a Rainha da Noite, Hécate viajava em companhia de fantasmas e outros marginalizados, era reverenciada como a protetora dos oprimidos e dos que viviam às margens. Em Roma, muitos sacerdotes eram escravos libertos para servi-la.

Muitas vezes foi representada com uma coruja, símbolo da sabedoria. Embora não fosse conhecida como a deusa da sabedoria, é reconhecida como uma deusa com um conhecimento especial – tanto que é considerada a deusa da cultura. Sua atenção aos detalhes, clarividência e interesse no que a maioria dos outros desconsidera lhe deu poderes enormes. Ela sabe o que nós não imaginamos.

Conhecida como a deusa da escuridão, foi muito honrada com comida nas encruzilhadas, nas portas das casas. Em geral haviam máscaras com três faces nos cruzamentos e também nas entradas de casas, pra proteger os lares dos espíritos.

Claro que era ela quem protegia as mulheres que viajavam à noite – e também durante o parto, quando era chamada não só para ajudar nas dores e na evolução do trabalho de parto, como também para proteger a criança.

Também era ela quem ajudava os mais velhos a atravessar para a morte e ficava com eles no Submundo para ajuda-los. Afinal, Hecate é a guardiã dos mistérios da terra, seja para chegar ou para sair.

Segundo o site Godess Gift, de onde traduzi tudo isso, Hécate é um lembrete da importância da mudança, de deixar o passado – e principalmente, tudo o que nos impede de crescer e amadurecer – e aceitar as mudanças. Ela nos pede para deixar o que é conhecido, seguro e conhecer os lugares assustadores da alma.

Nestes momentos, Hécate nos ajuda a ver o que estava nas profundezas, escondido ou esquecido, e ajuda a escolher o caminho a seguir. É a deusa que empresta sua luz para te guiar nos seus sonhos ou meditação. É ela quem nos ensina a ser justas e tolerantes com os que são diferentes ou menos afortunados, sem ser “coração de manteiga”, distribuindo justiça de forma igual.

Prestem atenção: Hécate é a Deusa Triuna, sincretizada ao longo da história ocidental com Diana (Ártemis na tradição grega). Basta pensar aí numa entidade de fé mais conhecida, a Santíssima Trindade, pra entender o significado e extensão desta deusa em nosso inconsciente.

Hécate e Perséfone

Segundo os hinos de Homero, foi Hécate quem escutou Perséfone (embora não tenha visto seu raptor) e contou tudo a Deméter. A deusa permaneceu ao lado de Deméter quando foram a Helios (o Sol) pedir ajuda. Também foi ela quem ficou ao lado de Perséfone no Submundo. Quando Perséfone voltou de lá, Hecate se tornou companheira e ministra de Perséfone – a acompanhando, inclusive, durante suas estadias no mundo de Hades.

Quer saber mais?

http://www.theoi.com/Khthonios/Hekate.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Hecate

http://www.theoi.com/Cult/HekateCult.html

http://www.raebryant.com/2009/10/09/hekate-hecate/

http://hekatecovenant.com/

https://sites.google.com/site/hellenionstemenos/Home/festivals/hekatesdeipnon

http://www.patheos.com/blogs/allergicpagan/2014/11/14/the-secret-history-of-the-triple-goddess-part-2-the-search-for-the-triple-goddess-of-antiquity/

Quanto custa a violência contra a mulher?

India's Daughter, debate após a sessão com a diretora, Karin Hueck e Viviana Santiago

Leslee, Karin e Viviana Santiago.

Acabo de sair de uma sessão de India’s Daughter, de Leslee Udwin, que mostra a história do estupro brutal de Jyoti Singh, uma indiana que acabara de se formar em medicina – e de cometer o crime de ir ao cinema com um amigo.
O documentário, proibido na Índia, marcou o lançamento da campanha “Quanto Custa a Violência Sexual contra as Meninas?”, promovida pela ONG Plan International Brasil, que combate o abuso sexual de meninas.
Sim, é a mesma Plan que lançou o “Por Ser Menina” – e a nova campanha faz parte da história.
Depois do filme houve um debate ótimo com a diretora, Leslee Udwin, e a especialista de gênero da Plan Brasil, Viviana Santiago, com mediação de Karin Hueck, editora da Revista Superinteressante.

Para quem está em São Paulo, oportunidade de ouro: amanhã haverá uma nova sessão aberta e gratuita, seguida de debate, lá no Auditório Ibirapuera.

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll

Page 4 of 86« First...23456...102030...Last »